Homeopatia e Pecuária

Carrapato Bovino e os diferentes tipos de Controles

Carrapato-do-boiO Carrapato-do-Boi, também chamado de Carrapato Bovino (Boophilus microplus) causa diversos prejuízos à pecuária bovina, como queda na produção animal, aumento do período de engorda dos animais, gastos com medicamentos, descarte do leite, prejuízos no couro do animal, entre outros. Com isto, seu Controle é um assunto de extrema importância, desde o uso de produtos químicos, que podem gerar resíduos tóxicos na carne e leite e ao ambiente, até medidas alternativas de Controle do Carrapato Bovino, como o uso de fitoterápicos, rotação de pastagem, homeopatia, entre outros; que serão discutidos a seguir, buscando auxiliar na busca de medidas eficazes para o Controle deste Parasita.

1.CONTROLE COM PRODUTOS QUÍMICOS (CARRAPATICIDAS)

Os Carrapaticidas são divididos em Carrapaticidas de contato, aplicados por pulverização, imersão ou “pour on“(divididos em Fosforados, Amidínicos, Piretróides, Fípronil e Thiazolina) e Carrapaticidas sistêmicos, aplicados por injeções ou no fio do lombo, onde o produto é metabolizado pelo organismo e distribuído a todo o corpo do animal (são os derivados das avermectinas e Fluazuron). A seguir, iremos descrever cada um:

Carrapaticidas de contato

1.1) Fosforados ou Organofosforados: surgiu por volta de 1955, sendo considerado o grupo mais antigo de carrapaticida ainda comercializado para bovinos. Sem poder residual (ou seja, não permanece sobre a pele e o pelo dos animais), os organofosforados quando aplicados sob a forma de pulverização, exige intervalo de tratamento de 21 dias. Outro problema deste tipo de produto químico, é o alto poder de intoxicação, sedo registrado intoxicações acidentais em animais e em humanos, além de mortes por intoxicação. O produto comercial fosforado mais conhecido é o Assuntol.

1.2) Amidínicos ou Amidinas (diamínicos): lançado em 1975, esse tipo de Carrapaticida possui um alto poder residual, permanecendo por mais tempo sobre a pele e o pelo dos animais, permitindo intervalos maiores de tratamentos. O produto amidínico mais conhecido é o Triatox.

1.3) Piretroides: surgiu em 1977, e obteve grande sucesso por apresentar maior “poder residual”, permanecendo por mais tempo sobre a pele e o pelo dos animais. Esse tipo de Carrapaticida possui três subgrupos (Deltametrina, Cipermetrina e Alfametrina). No entanto, justamente por possuir maior poder residual, levou ao surgimento da Resistência dos Carrapatos. Desse grupo são o Bayticol e o Butox, os produtos comerciais mais conhecidos.

1.4) Fipronil: com ação é semelhante às avermectinas, não pode ser usado em animais em lactação. Top Line é seu nome comercial.

CARRAPATO DE BOI1.5) Thiazolina: Conhecido comercialmente como Ektoban, este Carrapaticida possui em sua formulação piretroide, com carência de 3 dias para a utilização da carne.

Carrapaticidas sistêmicos

1.6) Derivados das Avermectinas: produtos derivados da fermentação do fungo (Streptomyces avermitilis), que eliminam vermes, Carrapatos e bernes. Existem no mercado a Ivermectina (não recomendada para bezerros com menos de 4 meses), Abamectina, Moxidectina, Doramectina e Eprinomectina; com várias formulações para bovinos, com diferentes nomes comerciais, dos quais foram detectados irregularidades como falta de registro no MAPA, ausência de informações como período de carência, entre outras.

1.7) Fluazuron: chamados de “terceira geração de inseticidas” por interferir na produção de quitina, este tipo de produto impede o desenvolvimento do ciclo do Carrapato; não podendo ser utilizado nos animais em lactação.

O Controle com Produtos Químicos (Carrapaticidas) continuam sendo o principal meio de Controle dos Carrapato-do-Boi, podendo ser aplicados na forma de pulverização, “pour-on”, injetáveis ou com brincos impregnados de princípio ativo. Porém, seu uso contínuo tem gerado problema de Resistência das populações de Carrapato aos diferentes grupos químicos, com queda na eficiência deste tipo de Controle. Por isto, tem se tornado, cada vez mais comum, a busca por medidas de Controle alternativas, que serão abordadas a seguir.

2. CONTROLE BIOLÓGICO

CARRAPATO PASTAGEMExistem diferentes maneiras de realizar o Controle Biológico, como: seleção de bovinos que apresentam maior resistência ao Carrapato Bovino (como os zebuínos, animais com pelo bem curto, semelhante ao pelo dos zebuínos, entre outras), cultivo de pastagens que dificultem a sobrevivência dos estágios vida livre do Carrapato, preservação de predadores naturais (garça boiadeira, carcará, gavião-carrapateiro, formigas e vespas predadoras); utilização de bactérias, fungos; entre outros.

3. VACINAS

Essas vacinas reduzem a capacidade reprodutiva do Carrapato, gerando um controle no número de Carrapatos Bovinos. Porém, alto custo e gastos com manejo, são desvantagens deste tipo de controle pouco utilizado em nosso País.

4. FITOTERAIA

Extratos vegetais é uma das alternativas que tem sido utilizada na busca do Controle do Carrapato-do-Boi. Óleos de eucalipto, citronela, extraídos do timbó e Azadirachta indica (óleo de nim) possuem ação Carrapaticida e tem apresentado resultados promissores no controle desse parasito.

5. CONTROLE HOMEOPÁTICO

Carrapato_do_BovinoO Controle de Carrapatos Bovinos com o uso da Homeopatia (medicamentos homeopáticos, também chamada de bioterápicos) é um método que tem apresentado resultados eficazes no Controle e Combate de Infestações com vantagens econômicas, pelo baixo custo, além de não apresentar resíduos (Produto 100% Natural), além de não apresentar necessidade de manejo, não causando estresse aos animais. Seu uso tem carência zero, sem resíduos no leite e na carne. O uso da Homeopatia leva a redução no uso de Carrapaticidas e Inseticidas, levando a um espaçamento cada vez maior das aplicações desses produtos, com a continuidade de medicamentos Homeopáticos, como no caso do produto Parasito H.

Por fim, pode se observar, a existência de diversas maneiras na busca do Controle e Prevenção do Carrapato Bovino, como técnicas de manejo tanto de animais como de pastagens e utilização de produtos que auxiliem no controle desse parasita, que vão além do uso de Carrapaticidas Químicos, que tem apesentado cada vez mais ineficiência decorrente do mau uso e geração de Resistencia de Carrapatos.

Com isto, a busca de profissionais adequados que possam auxiliar o produtor de gado neste problema é de extrema importância.

Dúvidas ou mais informações, favor entrar em Contato.

Direitos reservados: Texto de uso exclusivo da Expressão Animal, sendo permitida sua cópia e/ou réplica somente citando o site (link deste texto) como fonte.

Fontes: 1) Morais, P.G.S. et al. A influência da co-evolução bovinos/carrapatos nos métodos de controle e ambiência na bovinocultura. PUBVET, Londrina, V. 7, N. 9, Ed. 232, Art. 1534, Maio, 2013; 2) Furlong, J, Sale, R. de O. Controle Estratégico de Carrapatos no Bovino de Leite: Uma Revisão. Revista Brasileira de Higiene e Sanidade Animal, v.1, n.2, p. 44 – 72, 2007; 3) ACC Ribeiro, EAC Mella. Intoxicação ocupacional por organofosforados: a importância da dosagem de colinesterase. Iniciação Científica – Cesumar, v. 09, n.02, p. 125-134, Jul./Dez. 2007; 4) Seixas, J. N.; et al. Aspectos clínicos e patogenéticos da intoxicação por Aspectos clínicos e patogenéticos da intoxicação por abamectina em bezerros. Pesq. Vet. Bras. 26(3):161-166, jul./set. 2006; 5) Avermectinas: o que falta é conscientização. DBO 421, 2015; 6) Mendonça, R. P. de. Atividade endectocida, segurança clínica e farmacocinética de resíduos de uma nova alternativa terapêutica (Fluazuron + Abamectina) em bovinos. Tese Unesp Jaboticabal, 2010.

Solicite Seu Orçamento Através do WhatsApp

Ou Solicite
Seu Orçamento Através do Formulário

Preencha o formulário que breve retornaremos o contato. Campos obrigatórios*

Localização
Onde Estamos

R. Francisco Henrique, 298 B.
Ribeirão Claro, Guapiaçú - SP
WhatsApp da Expressão Animal