Homeopatia e Pecuária

Mastite ou Mamite Bovina: 8 perguntas e respostas.

mamite mastiteMastite ou Mamite Bovina é uma enfermidade comum em Gado Leiteiro; gerando muitas dúvidas em relação a esta doença. Sendo assim, buscamos, de forma simples e direta, responder as principais dúvidas sobre este assunto.

1) O que é Mamite ou Mastite Bovina?

Mamite ou Mastite Bovina é uma inflamação na Glândula Mamária, causada por diferentes microrganismos, como bactérias e fungos. Esta inflamação é um mecanismo de defesa do organismo, tentando eliminar o microrganismo causador desta doença, além de tentar recuperar a área atingida pela doença.

2) Quais os prejuízos causados ao produtor de leite?

A Mastite Bovina gera perdas na cadeia produtiva do leite com redução da quantidade do leite produzido; queda da qualidade, com alterações físicas, químicas e bacteriológicas no leite, além de alterações na Glândula Mamária, o que acaba por gerar aumento considerável da contagem de Células Somáticas no Leite (CCS). Por fim, a Mastite causa danos à saúde dos animais afetados, com gastos de tratamentos, descartes de animais, de leite, entre outros.

3) Quando e fala em Mamite ou Mastite, sempre é citado aumento de Células Somáticas no Leite; afinal; o que é isto?

Células Somáticas no Leite são todas as células presentes no leite; como as células do sangue e as células de descamação da própria glândula mamária (células epiteliais). Neste contexto, as células do sangue (linfócitos, macrófagos e neutrófilos) atuam no combate aos microrganismos infecciosos e seu aumento; assim como o aumento do número das células epiteliais causadas pela descamação, servem como indicativo da ocorrência de uma inflamação na Glândula Mamária; podendo ser usada para identificar uma infecção na glândula mamária.

4) Se as Células Somáticas no Leite são usadas para identificar Inflamação na Glândula Mamaria, como é feito isto?

ccsA Contagem de Células Somáticas no Leite é um método utilizado para identificação de Inflamação na Glândula Mamaria (ou seja, de Mamite ou Mastite Bovina). Esta contagem pode ser realizado por métodos diretos de contagem (com microscópio ou contadores eletrônicos) ou por métodos indiretos como o teste CMT (California Mastits Test).

5) Existem diferentes classificações de Mastite ou Mamite. Quais são e quais suas diferenças?

De acordo com o tipo de agente causador da Mastite Bovina  ela é dividida em Mastite Contagiosa e Mastite Ambiental.  Já de acordo com sua manifestação, ela pode ser classificada em Mastite Clínica ou Subclínicas. A Mastite Contagiosa é causada por principalmente patógenos, como as bactérias Staphylococcus aureus e Streptococcus agalactiae, que infectam a Glândula Mamária. Já a Mastite Ambiental é assim chamada pela localização dos patógenos no próprio ambiente de ordenha ou do curral, como esterco, urina, barro e camas. Quanto a Mastite Clínica é chamada as doenças na em que existem sinais de manifestação da mesma, como edema, aumento da temperatura, endurecimento e dor na glândula mamária; além da presença de grumos, pús ou alterações visíveis no leite; além da queda na produção leiteira. Por fim, a Mastite Subclínica é um tipo de infecção mais difícil de ser detectada. Neste caso, o úbere não
apresenta alterações, nem tampouco sinal de inflamação e o leite parece normal. Porém, ocorre alterações na composição do leite, como aumento da Contagem de Células Somáticas no Leite, aumento nos teores de proteínas séricas, diminuição nos teores de caseína, lactose e gordura do leite; reduzindo assim a qualidade do Leite produzido. Este tipo de Mastite (Subclínica) esta presente em maior quantidade, quando comparada a Mastite Clínica, podendo atingir cerca de 90% a 95% dos casos da doença.

6) O que a Mastite tem a ver com a Qualidade do Leite?

A Mastite causa alteração na composição do Leite, como aumento de enzimas proteolíticas e rancidez, diminuição de proteína, gordura e lactose, além da redução na aptidão para a fabricação de queijo e estabilidade térmica. Assim, pode se afirmar que este tipo de enfermidade leva a queda na qualidade do leite, além da contaminação por microrganismos, e por resíduos oriundos de tratamentos de mastite (como no caso do uso de antibióticos).

7) Como tratar e Prevenir a Mastite ou Mamite Bovina?

mamiteUm dos principais métodos de Controle e Tratamento desta doença é o uso de antibiótico, que tem gerado o aumento na resistência de microrganismos, além da presença de resíduos de antibióticos no leite, com descartes. Neste cenário, medidas como: terapias antimicrobianas para vacas secas, medidas de limpeza e manejo adequado e outras tem auxiliado no Controle e Prevenção. Porém, um método alternativo de tratamento e prevenção eficaz, que tem apresentado excelentes resultados, é o uso da Homeopatia. Neste cenário o tratamento com Produtos Homeopáticos, atuam Curando (tratando) e Prevenindo casos de Mamite (Mastite), tanto clinica quanto subclinica. O uso da Homeopatia, como no caso do Mamite H,  age estimulando o sistema de defesas do organismo tratado, além de agir de forma curativa, com recuperação da saúde e órgãos ou afetados.

8) O uso da Homeopatia para Tratar e Prevenir Mastite ou Mamite Bovina tem garantia de resposta?

Sim, o uso de Medicamentos homeopáticos, como o Mamite H, possui garantia de resposta e eficácia no Controle, Prevenção e Tratamento de  Mastite ou Mamite Bovina. Pesquisas, tanto em laboratórios como em Campo, provam a eficacia deste Medicamento, além da satisfação observada por pecuaristas que utilizam este produto. Além da resposta ser rápida e eficaz, seu custo é reduzido, quando comparado ao uso de outros tipos de medidas. Por fim, o uso da Homeopatia apresenta vantagens como facilidade de uso (sem manejo) e por se tratar de um Produto 100% Natural, com ausência de toxidez e de resíduos na carne ou leite (carência zero).

Mais informação entre em Contato com equipe técnica especializada.

Direitos reservados: Texto de uso exclusivo da Expressão Animal, sendo permitida sua cópia e/ou réplica somente citando o site (link deste texto) como fonte.

Fontes: 1) Bexiga, R.; et al Mastites subclínicas bovinas na zona do Ribatejo-Oeste.Revista Portuguesa de Ciências Veterinárias, v. 100, p. 39-44, 2005; 2) Pereira, M. T. C.; et al. Revisão sobre o uso do ozônio no tratamento da mastite bovina e melhoria da qualidade do leite. Bioscience Journal, v. 19, n. 2, 2006; 3) Ximenes, G. N. Terapêutica da Mastite Utilizando  Medicamentos Homeopáticos. Univ. Federal de Goiás. Jataí -G.O., 2009; 4) Imagens: arabchurch.com; delaval.com.

Solicite Seu Orçamento Através do WhatsApp

Ou Solicite
Seu Orçamento Através do Formulário

Preencha o formulário que breve retornaremos o contato. Campos obrigatórios*

Localização
Onde Estamos

R. Francisco Henrique, 298 B.
Ribeirão Claro, Guapiaçú - SP
WhatsApp da Expressão Animal